O dia em que criaram os “partos de, no máximo, um minuto”

M trabalhava há uns 20 anos como médico em I, um famoso hospital privado do estado. Ano após ano, M realizava o que talvez seja o mais nobre trabalho de um médico: ele fazia partos. Tinha o apelido de “parteiro 100%” porque, bem, M era exigente e detalhista. Os pacientes, claro, adoravam. Afinal, quando se trata de um nascimento, nada é mais verdadeiro do que o ditado que diz “todo cuidado é pouco”.
A equipe médica do hospital geralmente gostava de trabalhar com M. K, por exemplo, dizia:

– O doutor M faz a diferença! Quantos erros deixamos de cometer por conta dele!

E o que dizer do testemunho do residente J?

– M? M é um mestre! Exige muito, mas a gente vê o resultado no sorriso das mães e nas lágrimas de satisfação no rosto dos pais!

A vida de M era assim: estudava a arte de fazer nascer bebês e a praticava com afinco. Os resultados não tardaram a aparecer: ano após ano, as cestas de Natal e lembranças pelo aniversário vinham em grande número, mas M gostava mesmo dos cartões de agradecimento, uns com fotos de bebês, outros apenas com frases emocionadas. Guardava-os todos em seu consultório, em um imenso quadro, atrás de sua mesa.

O diretor do hospital, Q, dizia ter orgulho de M, o qual, generosamente, dizia que o mérito não era apenas seu, mas de toda sua equipe. Para dizer a verdade, os ensinamentos de M estavam nas ações de cada um dos seus membros. Era uma equipe campeã.

Cada nascimento era uma celebração para pais, parentes, M e sua equipe. Até que um dia veio a ordem do departamento de marqueting do hospital. M quase caiu de costas ao ler o memorando.

– Como é?
– Isso mesmo, doutor M.
– Mas, K, deve haver algum engano. Isso é impossível.
– Também acho, doutor, mas é isso mesmo. Eu conferi com a secretária G.

Sim, a ordem era bizonha. O departamento de marqueting queria que os partos fossem, a partir daquela data, feitos em, no máximo um minuto. Dizia o memorando que eles até aceitariam uns dois minutos, mas que isso seria levado em consideração na avaliação anual dos médicos e de suas equipes.

– K, o que vamos fazer?
– Não sei, doutor.
– Sabe que isso vai causar mortes, danos,…é uma loucura.
– Pois é, doutor. O povo do marqueting parece não saber sobre como se ganha o pão em hospitais, né?
– Sem dúvida.

A despeito de tudo, as equipes tentaram ignorar a ordem, mas logo vieram novos memorandos com ironias e insinuações sobre a diferença de fundos do marqueting em relação aos médicos.

Até que chegou o dia em que uma das funcionárias do marqueting resolveu ter seu filho no próprio hospital, aproveitando um recém-implantado sistema de descontos para funcionários.

– Doutor M, eu sei que o senhor é um excelente médico, então quero ter meu filho aqui, com o senhor e sua equipe.
– Com certeza, senhora N. Assine aqui e aqui. O cartão do convênio a senhora já apresentou na secretaria, certo?
– Sim senhor.
– Pois então, agora, senhora N, não se esqueça. Segundo o contrato, cuja elaboração contou com sugestões de seu departamento, a senhora deve fazer o parto aqui.
– Mas é tudo o que eu quero!
– Sim, e não se esqueça que o parto da senhora não deverá demorar mais do que 1 (um) minuto.
– Ah, isso não vale para mim, não é, doutor M?
– Pelo contrário, senhora N. Para a senhora é que vale mesmo.

Algumas semanas depois, a senhora N perdeu seu filho na mesa de operações. O doutor M, outrora um bom médico, sentiu uma renovada e obscura satisfação, fruto das regras que o departamento de marqueting havia criado. Atrás de sua mesa não se via mais cartões ou fotos de bebês, mas sim uma imensa tabela com pontos e metas absurdas para o tempo de um parto.

Ah sim, ele ganhou um bônus naquele ano e o hospital faliu pouco tempo depois, sob uma pilha de processos e por uma reconhecida incompetência, não só na arte do parto, mas também na de gerenciamento de recursos humanos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s