Ernesto, o lacrador

Ernesto era um sujeito complicado. Por toda sua vida ele fez bobagens as mais diversas. Batia na mulher, não amava os filhos, roubava os irmãos, recusava-se a cumprir horários, etc. Em poucas palavras, Ernesto tinha tudo para dar errado.

Um dia, após o último trago, Ernesto acordou e decidiu que mudaria sua vida. Não haveria mais espaço para estes erros em sua nova trajetória. Ernesto já era velho, mas encontrou um emprego como vendedor de pastéis. A escala de trabalho era flexível e se adaptava bem ao seu estilo de vida “despojado” de horários fixos. Pelo bem ou pelo mal, Ernesto agora tinha um emprego.

Ernesto resolveu, então, que tentaria corrigir os erros do passado. Contudo, não há como corrigir erros do passado, por definição, certo? Ernesto pensou, pensou e, como não queria pedir desculpas para todos os atingidos por seus erros – o orgulho ainda lhe era caro – resolveu que iria dizer o que – para ele – eram algumas verdades. Desta forma, em seu raciocínio peculiar, estaria “corrigindo” erros do passado. Determinado a ser um (quase) novo homem, Ernesto jurou para si mesmo que começaria  sua nova fase no dia seguinte, ou seja, na véspera de Natal.

À sua frente, a mesa farta de pratos aparentemente apetitosos. Ao seu lado, vários parentes e novos agregados que, por bem ou por mal, ele conhecia superficialmente. Ernesto buscou em sua mente fragmentos de lembranças sobre sua vida e sobre cada um dos que ali estavam. Foi um esforço grande, porque Ernesto tinha que varrer toda sua vida contaminada para encontrar algum momento de convivência sincera.

Com algum esforço lembrou-se do marido de uma prima que se encontrava, para sua sorte, na cadeira ao lado.

– Puxa, Franz, esta na foto é a Michelle?

– Sim, sr. Ernesto.

– Como ela cresceu!

– Pois é. Fazem anos que não nos vemos, né? Desde quando ela era criança.

– É. Ela está bonita, mas continua burra?

– Como?

– Vamos ser honestos, eu não gosto de desonestidade. Ela é bonita, mas sempre foi muito ruim na escola. Não vejo mal algum em falarmos abertamente que ela tinha dificuldades mentais.

– O senhor está maluco, tio Ernesto?

– De forma alguma. Agora sou um homem limpo, honesto. Não sou mais como antes. Antes sim, eu era maluco. Agora, eu procuro ajudar as pessoas a entenderem a verdade.

– Tio Ernesto, acho que todos buscamos a verdade, o que o leva a achar que…

– Não, Franz, não seja tão limitado. Vamos seguir em frente. Sem agressões. O fato é que sua filha era meio burrinha mesmo. Veja, eu passei por muita coisa na vida e agora sou um novo homem. Você teve as experiências que tive, Franz?

– Não, bem…

– Pois é. Então, Franz, meu caro, não tente se achar superior.

– Eu, como?

– Admita e ouça o que tenho a lhe dizer. Sua filha era burra. Deve ser burra ainda. Talvez seja burra para sempre. Faz parte da vida.

Assim, de forma supostamente renovada e iluminada, Ernesto inaugurou sua nova fase de vida, em que seus palpites – que ele achava serem verdadeiras gotas de sabedoria – eram distribuídos aleatoriamente a todos, mesmo que nunca ninguém tivesse pedido por eles. Não dá para dizer que aquela ceia de Natal foi exatamente feliz, mas, afinal, para Ernesto, foi o começo de uma nova vida, embora nem todos concordem com isso.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s